Nova política nacional promove o uso de biocombustíveis no Brasil

(Foto: Pixabay)

O investimento em biocombustíveis será uma das principais medidas do Brasil para conter o aquecimento global. O Ministério de Minas e Energia (MME) apresentou a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), um programa federal que propõe o crescimento da produção de biocombustíveis no país.

Segundo o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, o Brasil tem potencial para produzir, aproximadamente, 50 bilhões de litros por ano, ante os 27 bilhões atuais.

Construída em parceria com o setor privado e a sociedade, a RenovaBio propõe aumentar a participação de bioenergia para reduzir as emissões de gases poluentes até 2030 e atingir a meta definida no Acordo de Paris – tratado internacional que visa frear o aquecimento global.

“É uma primeira resposta em que vamos mobilizar recursos e cumprir com as nossas metas”, declarou o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho. “Temos que encarar o desafio climático como uma oportunidade para a retomada do crescimento. Nenhum assunto da atualidade requer maior coerência entre políticas econômicas, sociais e ambientais do que esse”, complementou.

O objetivo, segundo ele, é reduzir o consumo de combustíveis fósseis no setor de energia e transporte, estimulando uma matriz energética mais sustentável e uma economia de baixas emissões com geração de empregos e renda para os brasileiros, e conservação ambiental.

Para que o RenovaBio seja implementado no país, o governo irá submeter ao Congresso uma Medida Provisória (MP) sobre o programa. A expectativa é apresentar a Política Nacional de Biocombustíveis na 23ª Conferência das Partes (COP 23) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, que acontecerá em novembro na Alemanha. O governo também pretende abordar na reunião a Plataforma BioFuturo, lançada no ano passado na COP 22.

** Com informações do MMA e MME