Análise revela que espuma do Rio Tietê é tóxica

(Foto: João Conti/Arquivo Pessoal)

A espuma que encobre o Rio Tietê em Salto, no interior de São Paulo, é tóxica, segundo o laudo apresentado pelo Laboratório de Microbiologia da Universidade de São Caetano do Sul.

Amostras da água com espuma foram coletada por representantes da Fundação SOS Mata Atlântica após o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, garantir que a espuma é similar a mistura de água com sabão durante um programa de TV.

“É uma espuma horrorosa, mas não é tóxica. Ela vem de um agente ativo que existe em detergentes, em sabão em pó. A dona de casa conhece isso, quando ela coloca sabão em pó numa máquina e se agita, forma-se espuma. É como a que você tem no tanque de casa”, disse Kelman na TV.

A análise encontrou cinco grupos de bactérias e uma alta concentração de metais pesados, como manganês e cobre, na composição da água com espuma. Segundo a coordenadora de águas da organização, Malu Ribeiro, o contato com a espuma pode provocar algumas doenças.

“É tão nociva a espuma que as ruas que foram invadidas por ela precisam passar por um processo de higienização depois que somem. Porque mesmo depois podem causar doenças, ainda para animais domésticos que podem passar pelo local. Então, a recomendação é evitar ao máximo o contato com essa espuma”, explicou Ribeiro em entrevista ao G1.

As espumas aparecem frequentemente na extensão do Rio Tietê nas cidades de Santana de Parnaíba, Salto e Pirapora do Bom Jesus,  devido a baixa vazão da água e presença de esgotos domésticos não tratados.

** Com informações do G1

COMPARTILHAR
Organics News Brasil / Estilo de viver sustentável.